Planos de saúde terão de reduzir preço das mensalidades em 8,19%

Planos de saúde terão de reduzir preço das mensalidades em 8,19%

Pela primeira vez na história ANS decidiu que reajuste anual dos planos individuais será negativo em 2021

Data: 2021-07-08

Editor: Eliomar Julian

Créditos: Calila Notícias

thumbnail

O preço das mensalidades dos planos de saúde individuais sofrerá uma queda em 2021 de 8,19% a partir de agosto. É a primeira vez na história que a ANS (Agência Nacional de Saúde Suplementar) decide que o índice de correção anual será negativo.

A medida fará com que as operadoras dos planos de saúde individuais reduzam o valor a partir do mês que vem, com pagamento retroativo de maio, junho e julho, sempre na data de aniversário do contrato do usuário.



Por se tratar de um índice negativo, as operadoras terão de efetuar redução na mensalidade relativa ao que deixaram de aplicar nos meses anteriores.

A decisão beneficia 8,1 milhões de beneficiários até 1º de maio de 2022. A boa notícia, porém, não se aplica aos planos corporativos, contratados por empresas para seus funcionários, nem coletivos.

LEIA TAMBÉM
Ações contra reajuste dos planos de saúde sobem 1.600% em 2 anos
Gastos dos convênios médicos atingem maior nível em 2 anos
Plano de saúde: Defensoria quer se unir ao Procon em ação contra ANS
Levantamento apresentado pela ANS na reunião virtual apontou que a decisão se deve à queda de 82% para 74% no uso de serviços médicos pelos usuários no ano passado, como cirurgias e exames.

De acordo com dados da ANS, as consultas médicas registraram um recuo de 25% nas ocorrências em 2020, em relação a 2019.

Decisão foi unânime
Rogerio Scarabel, diretor-presidente substituto da ANS, foi o primeiro a votar pelo reajuste negativo de 8,19%. Scarabel também ressaltou que fica "vetada a não aplicação do reajuste negativo nas mensalidades dos planos de saúde individuais determinado pela ANS".

O segundo a votar foi o diretor adjunto Cesar Brenha Rocha Serra que seguiu o relator e aprovou o reajuste anual negativo.

Em seu voto, ele destacou que é a segunda reunião em plena pandemia da covid-19 e destacou que as operadoras tiveram menos gastos, ao contrário do que se fala. Também destacou a segurança jurídica que uma agência reguladora traz.

O diretor Maurício Nunes da Silva foi o terceiro a votar seguindo os demais e destacando a coerência normativa e do órgão regulador.

No ano passado em plena pandemia autorizamos um reajuste positivo de 8,14% sob a justificativa da variação de despesas do ano anterior, ou seja, 2019. Agora temos um cenário inverso, houve redução de gastos e a metodologia reflete e reproduz isso. Por isso voto pela variação negativa de 8,19% em 2021.

MAURÍCIO NUNES DA SILVA

Outro diretor que seguiu o voto do relator foi Bruno Martins Rodrigues, o quarto a se manifestar na reunião.

Paulo Rebello foi o último a votar favoravelmente ao reajuste negativo tornando a aprovação unânime pela ANS.

Decisão deve refletir nos planos coletivos e empresariais
Para o advogado Marcos Patullo, especialista em direito à saúde do escritório Vilhena Silva Advogados, a redução nos boletos pode servir como argumento para a equiparação dos reajustes dos planos coletivos.

"A inédita decisão da ANS foi acertada. O mercado de saúde suplementar é uma gangorra que mostra um desequilíbrio muito grande para o consumidor. Estamos em um momento econômico complicado e os planos de saúde impactam diretamente na renda das famílias."


Vale lembrar que enquanto os planos individuais, que têm o reajuste fixado pela ANS, sofreram uma correção de apenas 8,14%, o Procon-SP identificou mensalidades de planos empresariais e coletivos que sofreram uma elevação de até 150%, percentual considerado abusivo e injustificável.

"A justiça tem entendido que os índices aplicados pelos planos coletivos, que não dão nenhum tipo de abertura para a negociação dos valores, são desproporcionais. Dessa forma, exigem que a taxa seja equiparada ao índice determinado pela ANS. Acredito que o índice anunciado pela ANS pode gerar uma busca na justiça por parte dos demais consumidores que desejam equiparar o valor das mensalidades", completa Patullo.

Veja mais relacionados...


bolsonaro.jpg

Bolsonaro passa terceira noite no hospital e segue sem previsão de alta

17-07-2021

O presidente Jair Bolsonaro (sem partido) passou sua terceira noite interna...

brasilia.jpg

Antes mesmo de aprovar 'fundão', Brasil já despontava como o país que mais gasta com partidos

17-07-2021

A aprovação da Lei de Diretrizes Orçamentárias (LDO) pelo Congresso, na qui...

Governo da Bahia altera toque de recolher e autoriza eventos para até 100 pessoas; veja novas medidas

09-07-2021

A partir desta sexta-feira (9), restrição de locomoção norturna passa a val...

Governo decide privatizar 100% dos Correios em leilão único

06-07-2021

Congresso precisa aprovar antes PL permitindo atuação privada...

Saúde anuncia vacina para bancários e trabalhadores dos Correios

06-07-2021

Categorias entram como prioridade na vacinação contra covid-19...

Dê sua opnião mantenha o respeito nos comentários.